A bela mulher de verde e o poste

Há uns anos, olhando pela janela de casa, ainda morando no Rio de Janeiro, vi uma mulher de verde – muito bonita – entrando no mercado enquanto, no mesmo instante, um carro batia no poste.  Aos meus olhos, a despeito de todas as infinitas ações que aconteciam ali, ao mesmo tempo, envolvendo incontáveis circunstâncias ao estilo de Onde está Wally?, uma pergunta saiu de dentro de mim.

Toda a vez que uma bela mulher entra no mercado, um carro bate no poste?

Na mesma velocidade que veio a pergunta, a resposta apareceu: não.

Os anos foram passando, anamneses segui fazendo, e a mulher de verde e o poste sempre estavam por lá.

“Doutor, eu bati com a barriga em um bujão de gás e fiquei amarelo.”

“Sentei no banco da praça e a dor nas minhas juntas começaram.”

“Minha mãe parou de mexer o lado direito do corpo na hora em que tomou o suco da feira.”

A resposta sempre aparecia: não. A mulher não tem nada a ver com o poste.

Até que um dia lembrei do motorista. E se ele estivesse olhando para a bela mulher de verde quando, distraído, bateu no poste? A inserção do motorista na narrativa nos mostra que existem duas relações entre a mulher de verde e o poste. Uma evidente, que é a relação temporal. De fato o carro bateu no poste no momento que a mulher de verde entrou no mercado. E outra possível, que é a relação causal. Esta última tão buscada por nós que sempre nos apressamos para definir causa e consequência.

Vejo isso todos os dias nos estudantes de Medicina que, entusiasmados em dar o diagnóstico, prendem-se aos elementos narrados obcecados por dizer o que causou o que.

O ponto é que, quando trazemos à memória um fato, costumamos ocultar uma série de outros eventos que ocorreram na vida concreta assim que uma situação de causa e efeito é estabelecida e, na mesma proporção, desvalorizamos qualquer outra relação – ainda que temporal – quando tal causa nos parece impossível.

Essa semana atendi um rapaz que se machucou no banco da praça, teve uma infecção de pele no local e, em seguida, relatou o surgimento de dores articulares, provavelmente reativas ao quadro inflamatório. Melhorou rapidamente dos sintomas com o tratamento da infecção.

Toda a vez que uma bela mulher entra no mercado, um carro bate no poste? Não. Mas em algum caso real, diante de nós, após investigar pacientemente todo o cenário, talvez a resposta seja sim.

4 comentários em “A bela mulher de verde e o poste

      1. Já vi outras pessoas apontando esse erro cognitivo de associação e causalidade, mas no seu texto isso é feito de forma bem mais inteligente, mt bom

        Curtir

Leave a Reply

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s