Thompson, Banting, Sackett e eu

Em janeiro de 1922, Leonard Thompson, com apenas 14 anos, voltou à vida 24 horas após a injeção de insulina venosa. Tal produto químico foi desenvolvido pelo ortopedista – sim, ortopedista! – Frederick Banting.

Em 1934 nasceu David Sackett, pesquisador principal de  grandes estudos que mostraram pela primeira vez os benefícios da aspirina para tratamento de doenças cardiovasculares.

Banting ganhou o prêmio Nobel da Medicina.

Sackett criou a Medicina Baseada em Evidências (MBE).

E eu?

Eu entrei para o curso de Medicina em 2000.

Eu via Banting quando prescrevia insulina para a mocinha com cetoacidose diabética e testemunhava, com meus próprios olhos, a sua vida sendo salva.

Eu acreditava em Sackett quando oferecia aspirina para aquele senhor que parou de mexer o lado direito do corpo.

Mas algo me incomodava em Sackett até que li seu artigo de 1996 entitulado Medicina baseada em evidências: o que é e o que não é? (BMJ 1996;312:71). Neste artigo brilhante, Sackett afirma que a MBE é a junção da experiência clínica – proficiência e julgamento que o médico adquire ao longa da vida pela prática clínica – com o que há de melhor nas evidências teóricas externas com o objetivo de cuidar de um indivíduo de carne e osso. Ele ainda prevê que a MBE será infértil e perigosa caso anulemos a experiência concreta do médico.

Sackett não me incomoda mais.  Precisamos dele e de Banting para tratarmos de Thompson.

Eu vejo Benting, acredito em Sackett e cuido de Thompson.

Leave a Reply

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s